Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Simplice

A vida é simples

Simplice

A vida é simples

Vinho ou sumo de uva?

Existe grande polémica sobre o que foi usado na santa ceia, se foi vinho ou sumo de uva.

De um lado estão os que defendem que era sumo de uva. A palavra grega pode ser usada para ambas as coisas, e na Páscoa os judeus não ingeriam coisas fermentadas. E o vinho é sumo de uva fermentado.

Do outro lado, estão os que vão buscar outros versículos para mostrar que Jesus transformou água em vinho (não em sumo de uva), e que a Bíblia fala em não nos embriagarmos em vinho, logo o vinho tem de ser alcoólico. Tudo defesas que não têm base nenhuma, pois não se referem ao período da Páscoa especificamente. E lá por Jesus ter transformado água em vinho, não quer dizer que o da Santa Ceia fosse vinho.

Estas discussões teológicas e linguísticas são muito interessantes, mas a verdade é fácil de ver para quem percebe minimamente de vinho. É simples: As vindimas em Israel são no Outono (Setembro/Outubro), e a Páscoa é em Abril. Não há forma de impedir o vinho de fermentar durante esse espaço de tempo...

Nota: Este artigo não serve para dizer que a Santa Ceia tem de ser feita com vinho, o objectivo é mostrar a estupidez teológica a que chegamos. Gastamos tanto tempo e recursos a defender coisas destas. Na realidade, o que é triste na Santa Ceia, é o conceito ter sido deturpado. Mas sobre isso já falei em Santa Ceia e O Aperitivo do Senhor.

O Aperitivo do Senhor

"Já não é a Ceia do Senhor. Hoje poderia seria melhor chamada de (...) Aperitivo do Senhor! Desculpem-me, mas dificilmente podemos chamar a um quadradinho de pão e um micro-cálice de vinho de ceia!" (Frank Viola em Rethinking the Wineskin, p.45)

Depois de já ter experimentado a Ceia do Senhor como uma refeição a sério, consigo compreender muito bem este desabafo do Frank Viola. E não é só o tamanho da refeição que foi compactado. Tudo acerca da Ceia do Senhor foi reduzido na igreja moderna, é uma ténue sombra daquilo que deveria ser, daquilo que a igreja do primeiro século experimentou. É impossível experimentar a mesma comunhão, a mesma igualdade, o mesmo significado que a igreja do primeiro século experimentou enquanto comemos um quadradinho de pão ou uma óstia silenciosamente no nosso canto! É como fazer o almoço de Natal sozinho com comida rápida!

Tragam de volta a comida e a mesa! Nós precisamos urgentemente da comunhão, igualdade e significado que vem de partilharmos juntos uma refeição.