Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Simplice

A vida é simples

Simplice

A vida é simples

Publicidade

O Tabaco e o trabalho

Já antes falei da minha aversão ao sistema de horas de trabalho. Para mim, no tipo de trabalho que faço, não faz sentido ser pago à hora. Mas independentemente disso, há uma coisa que não tem lógica nenhuma no sistema de x de ordenado por 40 horas de trabalho semanais: A benesse que se dá a quem fuma.

É socialmente aceite que, um trabalhador que fume, se ausente do trabalho repetidas vezes durante essas mesmas 40 horas, para fumar. Dependendo do fumador em questão, essas ausências podem totalizar entre 20 minutos por dia, até umas 2 horas. Depende de quantos cigarros, a distância que tem que andar até ao sítio onde fuma, o tempo que leva com cada cigarro, a conversa que tem ou não com os outros fumadores, etc. É aceite, e visto como normal.

- Onde é que foi fulano de tal? - pergunta o chefe.
- Ah, foi ali fumar. - responde o empregado.
- Ah, está bem, quando ele voltar logo venho cá outra vez.

Já se o não fumador quiser fazer pausas de vez em quando, tem muito mais dificuldade.

- Onde é que foi fulano de tal? - pergunta o chefe.
- Ah, foi ali passear ao jardim. - responde o empregado.
- Passear ao Jardim!? Então mas eu pago-lhe para ir passear ao jardim? Quando ele voltar a gente logo conversa...

O que leva a que haja este tratamento preferencial para com os fumadores?

Trabalhar em casa

Hoje dei por mim a pensar: Será que faz sentido eu vir todos os dias para o edifício da empresa trabalhar? Afinal de contas, tudo o que eu preciso é de um computador e de uma ligação à internet. E a interacção profissional com os meus colegas não é tanta como isso, e poderia até ser menor com alguma organização. Daí a pensar em algumas vantagens e desvantagens foi um passo.

Vantagens de trabalhar em casa:

- Menos tempo perdido nos transportes
- Possibilidade de almoçar com a família (no meu caso)
- Um ambiente muito mais acolhedor e mais ao meu gosto
- Melhores condições de trabalho do que as existentes na maioria das empresas, e que só dependem de mim para serem melhoradas

Desvantagens:

- A falta de contacto com os colegas, não tanto pelo aspecto profissional, mas pelo aspecto social
- Menos idas ao restaurante japonês

Uma boa solução era dois dias por semana trabalhar em casa. Aí está uma opção que me agradava. Podia ser terça e quinta, para não gerar maior desconfiança por parte da entidade empregadora. O que acham? Encontram mais vantagens e desvantagens? Gostavam de poder trabalhar em casa pelo menos um dia por semana?

Espaço de trabalho

É incrível a falta de atenção que as empresas dão às condições de trabalho dos seus empregados. Muitas vezes esquecem-se de que os empregados são aquilo que têm de mais importante. Os empregados devem ter espaços de trabalho condignos, principalmente se as suas funções exigem criatividade e inovação.

Por tudo isto, o André acabou de escrever um artigo que não podia vir mais a propósito. Dêem uma olhada em Mind the Knowledge Worker.

Downgrade

Hoje houve mudanças na empresa. Perdi privacidade (passei a ter pessoas atrás de mim, e pior fiquei num lugar de passagem), mas pior, perdi a vista para o jardim.

A privacidade em si não me importo muito de perder, afinal de contas não tenho nada a esconder. Mas para alguém que leva a vida a olhar para um ecrã a 50cm de distância, não ter um sítio para onde descansar a vista de vez em quando, é uma verdadeira privação.

Pode ser qua a próxima mudança esteja para breve, e que desta vez seja para melhor.

Parábola do fiel trabalhador

Um rico proprietário entregou a dois trabalhadores duas propriedades semelhantes. Prometeu-lhes um salário, e dentro de um ano veria o resultado do trabalho de cada um deles, mas ele estaria ausente todo esse tempo.

Um dos trabalhadores fez aquilo que lhe competia. Trabalhou afincadamente como era suposto, dentro daquilo que era justo. Plantou quando era tempo de plantar, regou quando era tempo de regar, colheu quando era tempo de colher.

O outro trabalhador, por outro lado, viu isso como uma oportunidade de passar um ano à sua vontade. Apesar de fazer algumas coisas de vez em quando, quando realmente tinha de o fazer, a maior parte do tempo passou-o com os filhos, que assim já não tinham de ir para o infantário. Tinha tempo livre para estar com a família, e de fazer aquilo que mais gostava.

Quando chegou o tempo de prestar contas ao proprietário, viu-se bem a diferença de resultados. Enquanto uma propriedade tinha dado bastante lucro, outra tinha dado prejuízo. O mau trabalhador foi despedido, e lamentou-se da sua desgraça, considerando-se uma vítima.

O tempo e o seu uso

Há várias coisas que gostamos de fazer, e procuramos ocupar o nosso tempo livre nelas. Andar de bicicleta, jogar futebol, passear, observar aves, fazer escalada, fazer mergulho, etc. Estamos a usar o nosso tempo em coisas que nos fazem sentir bem, que lidam com o stress do dia a dia. E apesar de isso serem coisas necessárias, alguns de nós têm um certo sentimento de culpa por estar a "desperdiçar" o seu tempo nestas coisas.

A sociedade capitalista criou este defeito, o defeito de pensarmos que temos de estar sempre a fazer algo de "importante", obra que se veja. Em vez de "desperdiçar" o tempo nessas coisas, sentimos que deveríamos usar o tempo a trabalhar em algo importante, a ajudar os desfavorecidos, a orar, a participar em 1001 ministérios na igreja. Criámos a mentalidade de que o tempo de lazer é tempo desperdiçado.

Se formos analisar as Escrituras, vemos que Deus criou um dia por semana para o descanso, criou várias festas nas quais os Judeus eram "obrigados" a descansar e celebrar. O tempo de lazer fez sempre parte dos propósitos de Deus. Mas nós estamos mais preocupados com as obras que fazemos, do que com a nossa atitude.

"Continuando o seu caminho, Jesus entrou numa aldeia. E uma mulher, de nome Marta, recebeu-o em sua casa. Tinha ela uma irmã, chamada Maria, a qual, sentada aos pés do Senhor, escutava a sua palavra. Marta, porém, andava atarefada com muitos serviços; e, aproximando-se, disse: «Senhor, não te preocupa que a minha irmã me deixe sozinha a servir? Diz-lhe, pois, que me venha ajudar.»
O Senhor respondeu-lhe: «Marta, Marta, andas inquieta e perturbada com muitas coisas; mas uma só é necessária. Maria escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada.»"
(Lucas 10:38-42)

Ordem

É o que estou a precisar no trabalho. As tarefas são-me atribuídas aleatóriamente, muitas vezes interrompidas para fazer outras que surgem. Acabo por trabalhar em 4-5 projectos ao mesmo tempo. Gosto de levar as tarefas do princípio ao fim, uma de cada vez. Por causa disso, estes últimos dias de trabalho estão a ser extenuantes.

Publicidade