Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Simplice

A vida é simples

Simplice

A vida é simples

Komodo Edit

Sempre tive uma certa luta com IDEs. Por vezes experimento alguns, mas acabo sempre por voltar exclusivamente ao Vim. Acho que finalmente encontrei um que cumpre todos os meus requisitos: O Komodo Edit.

Tem tudo aquilo que eu quero: Funciona em Mac e em Linux sem stresses (também funciona em Windows, mas já não sei o que é isso há mais de 5 anos), faz syntax highlighting e code completion em todas as linguagens que uso (Python, PHP, Perl), e permite-me aceder a ficheiros remotamente. Pronto, era tudo o que queria. Claro que continuo a usar o Vim, mas para projectos com algum tamanho um bom IDE é muito bem vindo (o meu limite são 7 terminais abertos ao mesmo tempo).

Há uma versão paga com mais funcionalidades (Subversion/CVS e debugging são as principais), mas são coisas de que não sinto falta.

Python ou Ruby

No fim da formação "Perl Best Practices", onde estive nos últimos dias, pensei novamente sobre o uso cada vez menor do Perl. O Perl, como linguagem antiga que é, está a morrer (já antes dei a minha opinião). Faz tudo parte do ciclo de vida das linguagens de programação.

No ambiente web, há muito que o PHP tem vindo a ganhar terreno ao Perl. Acho que é já um facto consumado no munfo open source. Noutras áreas há duas linguagens que vejo como candidatas a substituir o Perl: O Python, e o Ruby.

A minha preferida é sem dúvida o Python. Eu sei que para quem vem do Perl (e de outras linguagens da família C) a linguagem parece "esquisita". Mas para mim, o Ruby é uma linguagem "feia", que permite a criação de código difícil de perceber.

Apesar disso, a minha previsão é que o Ruby vai ser a próxima linguagem da moda no ambiente open soure. Acho que vai ganhar terreno tanto ao Perl como ao Python. Porquê? Por duas razões. Primeiro, está mais preparado para web (muito graças ao ruby on rails, mas não só. A própria sintáxe do Python, ao não ter nada que termine um bloco além da identação, impede a sua fácil utilização em web). Segundo, é a linguagem que ganhou mais "hype" nos últimos tempos. E como todos nós sabemos, no mundo profissional, as linguagens são mais escolhidas pelos gestores do que pelos programadores, e esses baseiam-se no hype de cada linguagem. O tempo mostrará se tenho razão.

The king is dead. Long live the king!

Pormenores

São pormenores como este que me fazem gostar cada vez mais do Python:

campos = ', '.join(listaCampos)

Este comando pega numa lista (por exemplo de campos de uma base de dados) e junta todos os elementos numa única string, separados pelo que está entre plicas. Para quem estava habituado a fazer isto no Perl:

my $campos
foreach (@listaCampos) {
$campos .= $_.' ,';
}
chop($campos);
chop($campos);

Tenho que admitir que a forma do Python é uma lufada de ar fresco...

update: Como se pode ver no primeiro comentário, eu é que não sei programar perl. Mas por outro lado, é interessante que eu trabalhe há tanto tempo com Perl e não soubesse fazer isso, e com pouco tempo de python aprendi logo...