Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Simplice

A vida é simples

Simplice

A vida é simples

Komodo Edit

Sempre tive uma certa luta com IDEs. Por vezes experimento alguns, mas acabo sempre por voltar exclusivamente ao Vim. Acho que finalmente encontrei um que cumpre todos os meus requisitos: O Komodo Edit.

Tem tudo aquilo que eu quero: Funciona em Mac e em Linux sem stresses (também funciona em Windows, mas já não sei o que é isso há mais de 5 anos), faz syntax highlighting e code completion em todas as linguagens que uso (Python, PHP, Perl), e permite-me aceder a ficheiros remotamente. Pronto, era tudo o que queria. Claro que continuo a usar o Vim, mas para projectos com algum tamanho um bom IDE é muito bem vindo (o meu limite são 7 terminais abertos ao mesmo tempo).

Há uma versão paga com mais funcionalidades (Subversion/CVS e debugging são as principais), mas são coisas de que não sinto falta.

Python ou Ruby

No fim da formação "Perl Best Practices", onde estive nos últimos dias, pensei novamente sobre o uso cada vez menor do Perl. O Perl, como linguagem antiga que é, está a morrer (já antes dei a minha opinião). Faz tudo parte do ciclo de vida das linguagens de programação.

No ambiente web, há muito que o PHP tem vindo a ganhar terreno ao Perl. Acho que é já um facto consumado no munfo open source. Noutras áreas há duas linguagens que vejo como candidatas a substituir o Perl: O Python, e o Ruby.

A minha preferida é sem dúvida o Python. Eu sei que para quem vem do Perl (e de outras linguagens da família C) a linguagem parece "esquisita". Mas para mim, o Ruby é uma linguagem "feia", que permite a criação de código difícil de perceber.

Apesar disso, a minha previsão é que o Ruby vai ser a próxima linguagem da moda no ambiente open soure. Acho que vai ganhar terreno tanto ao Perl como ao Python. Porquê? Por duas razões. Primeiro, está mais preparado para web (muito graças ao ruby on rails, mas não só. A própria sintáxe do Python, ao não ter nada que termine um bloco além da identação, impede a sua fácil utilização em web). Segundo, é a linguagem que ganhou mais "hype" nos últimos tempos. E como todos nós sabemos, no mundo profissional, as linguagens são mais escolhidas pelos gestores do que pelos programadores, e esses baseiam-se no hype de cada linguagem. O tempo mostrará se tenho razão.

The king is dead. Long live the king!

To Perl or not to Perl

Perl is becoming an endangered species. While each year passes by, less companies use it in their projects. If you are a Perl programmer in Portugal, you don't have much choices of places where to work. My fingers are more than enough to count them.

What happened to Perl? Nothing new, actually, it's just the normal life span of a language. Programming languages are made to solve a certain problem to certain people. And if enough people find it usefull, it becomes a popular language.

But then life goes on, people change, the new generation has different needs, people see problems in the current languages, the sky is less blue or the sun doesn't shine has bright, and someone invents another programming language which becomes popular and takes the place of the other one. Life goes on as usual.

What can someone do then? There are two options, in my opinion. You can become a guru in that language and continue working in the small niche left behind (see cobol, for example), or you can learn the new popular languages and go with the flow.

I am not someone to stick to something for a long time, I get bored when nothing changes. So, that niche thing is not for me.

Último dia da YAPC

Tem sido uma óptima conferência. Tenho aprendido bastante. Além disso, algumas pessoas gostaram da minha palestra, o que me faz feliz. Outras não gostaram de algumas coisas e fizeram algumas críticas, o que me fez ainda mais feliz. É que quando a coisa não mexe com ninguém, as pessoas simplesmente dizem que foi fixe, e vão embora. Se as pessoas se dão ao trabalho de criticar é porque a coisa realmente lhes interessa.

Aprendi bastante a participar na conferência, a ver como tudo funcionou. E aprendi bastante com o facto de ter feito uma das palestras, e de toda a resposta que tive, e da forma como essa resposta foi feita (frontal mas simpática).

Larry Wall - YAPC EU 2005

Cheguei ontem à noite por volta da meia noite, depois de uma longa viagem de carro.

Até agora já ouvi a primeira palestra, apresentada por Larry Wall, o tal que criou o Perl. Gostei bastante da palestra, principalmente da primeira parte, em que ele falou de como um comunidade se forma e como ela deve funcionar. Pedi-lha que me enviasse uma cópia da palestra, para poder usá-la como inspiração para alguns posts aqui no blog. Acho que vão achar muito interessante.

Mas deixo para já o pensamento principal: Em relacionamentos, tem de haver um equilíbrio entre aceitar os outros como são, mas ao mesmo tempos esperar que todos evoluam.

Larry Wall é cristão evangélico

Esta surpreendeu-me completamente, não sei porquê. Estava a ver a página dele, quando vejo um link intitulado "minha igreja". Ao carregar lá, vou ter ao site da Igreja do Nazareno de Cupertino. Cavando um pouco mais, descubro que a mulher dele estudou linguística com a Wycliffe (os que traduzem a Bíblia para tudo o que é língua no mundo), e ensina a Bíblia há mais de 35 anos.

Para quem não sabe, o Larry Wall é o criador da linguagem de programação Perl, que é uma das que mais uso neste momento.

update: Uma entrevista de Larry Wall em que ele expressa bem as suas crenças.

update2: Uma outra entrevista, leiam a resposta à pergunta 7.