Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Simplice

A vida é simples

Simplice

A vida é simples

Envolvimento

Ontem falava com um amigo meu sobre a igreja onde ele está inserido. Essa igreja em particular é uma igreja que no passado recente fez a mudança para um igreja em células/grupos familiares.

A conversa chegou ao tema do envolvimento das pessoas na igreja. Perguntei-lhe se notava mais envolvimento das pessoas na igreja, e ele disse que sim. Perguntei-lhe se esse aumento de envolvimento era na igreja-instituição ou na igreja-pessoas (relacionamentos), e ele disse que era claramente na instituição.

Na minha opinião, é triste que isso tenha acontecido. É triste que a única diferença notada seja no envolvimento na maquinaria da instituição. É que no fundo, as pessoas estão mais sobrecarregadas de trabalho, sem que se veja quaisquer frutos disso.

É bom que nos lembremos do seguinte: Mais actividade não implica mais fruto. Não é por aumentarmos o número de actividades numa igreja que passaremos a ter mais relacionamentos, mais pessoas a seguirem Jesus, mais pessoas a crescerem espiritualmente. Não é só o que se faz, mas principalmente a forma como se faz.

O tempo e o seu uso

Há várias coisas que gostamos de fazer, e procuramos ocupar o nosso tempo livre nelas. Andar de bicicleta, jogar futebol, passear, observar aves, fazer escalada, fazer mergulho, etc. Estamos a usar o nosso tempo em coisas que nos fazem sentir bem, que lidam com o stress do dia a dia. E apesar de isso serem coisas necessárias, alguns de nós têm um certo sentimento de culpa por estar a "desperdiçar" o seu tempo nestas coisas.

A sociedade capitalista criou este defeito, o defeito de pensarmos que temos de estar sempre a fazer algo de "importante", obra que se veja. Em vez de "desperdiçar" o tempo nessas coisas, sentimos que deveríamos usar o tempo a trabalhar em algo importante, a ajudar os desfavorecidos, a orar, a participar em 1001 ministérios na igreja. Criámos a mentalidade de que o tempo de lazer é tempo desperdiçado.

Se formos analisar as Escrituras, vemos que Deus criou um dia por semana para o descanso, criou várias festas nas quais os Judeus eram "obrigados" a descansar e celebrar. O tempo de lazer fez sempre parte dos propósitos de Deus. Mas nós estamos mais preocupados com as obras que fazemos, do que com a nossa atitude.

"Continuando o seu caminho, Jesus entrou numa aldeia. E uma mulher, de nome Marta, recebeu-o em sua casa. Tinha ela uma irmã, chamada Maria, a qual, sentada aos pés do Senhor, escutava a sua palavra. Marta, porém, andava atarefada com muitos serviços; e, aproximando-se, disse: «Senhor, não te preocupa que a minha irmã me deixe sozinha a servir? Diz-lhe, pois, que me venha ajudar.»
O Senhor respondeu-lhe: «Marta, Marta, andas inquieta e perturbada com muitas coisas; mas uma só é necessária. Maria escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada.»"
(Lucas 10:38-42)