Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Simplice

A vida é simples

Simplice

A vida é simples

Ciclo de vida da Joaninha

Este verão decidi tentar observar o ciclo de vida da Joaninha. Uma vez que os meus bambus estavam infestados de pulgões, tinha as condições propícias para o fazer.

Aphids

Comecei por recolher Joaninhas na natureza, o que não foi tão fácil como esperava. Utilizei um campo de trigo para recolha das mesmas, onde já antes tinha visto bastantes, mas depois de bastante tempo só consegui capturar duas. Senti-me um bocado frustado porque ainda por cima eram de espécies diferentes. Qual não foi o meu espanto quando no dia seguinte uma delas começou a pôr ovos. Já estava prenha :)

Ladybird

Passado 3 dias as larvas começaram a eclodir, permanecendo em grupo durante 1 dia.

Ladybird larvae eclodingLadybird larvae

Depois começaram a dispersar-se e a comer os pulgões que encontravam pelo caminho. Passaram por várias fases de crescimento, libertando a casca antiga a cada muda.

Ladybird larva
Ladybird larvaLadybird larva

Depois de terem dizimado completamente a população de pulgões, o que levou cerca de uma semana, fizeram casulo para se transformarem na forma adulta.

Ladybird cocoon

No próximo ano vou tentar de novo, e espero conseguir fotos do que falta, o acto sexual, e a saída do casulo.

Underwear - FM Belfast

Underwear by FM Belfast (Music Video) from Daniel Scheinert on Vimeo.


We come from a place where we count the days
until nothing
until nothing
until nothing

We are running down the street in our underwear
We are running up the hill it's over there

coz nothing ever happens here
because nothing ever happens here
Where everyone keeps off the grass
no littering no loitering
no nothing
no nothing
no nothing

We are running down the street in our underwear
coz nothing ever happens here
We are running up the hill it's over there
oh my lord

Morre lentamente

"Morre lentamente quem não viaja,
quem não lê,
quem não ouve música,
quem destrói o seu amor-próprio,
quem não se deixa ajudar.

Morre lentamente quem se transforma escravo do hábito,
repetindo todos os dias o mesmo trajecto,
quem não muda as marcas no supermercado,
não arrisca vestir uma cor nova,
não conversa com quem não conhece.

Morre lentamente quem evita uma paixão,
quem prefere o "preto no branco"
e os "pontos nos is" a um turbilhão de emoções indomáveis,
justamente as que resgatam brilho nos olhos,
sorrisos e soluços, coração aos tropeços, sentimentos.

Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz no trabalho,
quem não arrisca o certo pelo incerto atrás de um sonho,
quem não se permite,
uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos.

Morre lentamente quem passa os dias queixando-se da má sorte ou da
chuva incessante,
desistindo de um projecto antes de iniciá-lo,
não perguntando sobre um assunto que desconhece
e não respondendo quando lhe indagam o que sabe.

Evitemos a morte em doses suaves,
recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior do que o simples acto de respirar.
Estejamos vivos, então!»

Pieces by Sum 41



I tried to be perfect,
But nothing was worth it,
I don’t believe it makes me real.
I thought it’d be easy,
But no one believes me,
I meant all the things I said.

If you believe it’s in my soul,
I’d say all the words that I know,
Just to see if it would show,
That I'm trying to let you know,
That I’m better off on my own.

This place is so empty,
My thoughts are so tempting,
I don’t know how it got so bad.
Sometimes it’s so crazy,
that nothing can save me,
But it’s the only thing that I have.

If you believe it's in my soul,
I’d say all the words that I know,
Just to see if it would show,
That I'm trying to let you know,
That I'm better off on my own.

On my own...

I tried to be perfect,
It just wasn't worth it,
Nothing could ever be so wrong.
It’s hard to believe me,
It never gets easy,
I guess I knew that all along.

If you believe it’s in my soul,
I’d say all the words that I know,
Just to see if it would show,
That I'm trying to let you know,
That I’m better off on my own.

Trabalhos de Campo I

DSC_4890

Esta semana que passou estive em Portugal, e foi espectacular. Estive a participar na disciplina de Trabalhos de Campo I, que faz parte do curso de Ciências do Ambiente que estou a fazer na Universidade Aberta. É uma disciplina que engloba toda a parte prática do curso. Durante uma semana tivemos aulas presenciais e de laboratório, e ainda 3 saídas de campo: Praia das Avencas, Serra da Arrábida, e Serra de Sintra.

Sendo um curso à distância, foi muito especial finalmente conhecer os colegas e os professores pessoalmente. Foi um ambiente super divertido. Só foi pena durar tão pouco...

Para todas as fotos, ver a galeria de Trabalhos de Campo I.

Art by Tanya Davis



I wondered what would be the worth of my words in the world
if i write them and then recite them are they worth being heard
just because i like them does that mean i should mic them
and see what might unfurl

i think of the significance of my opinions here
is it significant to be giving them does anybody care
just because i'm into this does that mean i should live like it
and really do i dare

art, art i want you
art you make it pretty hard not too
and my heart is trying hard here to follow you
but i can't always tell if i ought to

so i pondered the point of my art in this life
if i make it will someone take it and think it's genuine
will they be glad that i did 'cause they got something good out of it
will they leave me and be any more inspired

i question the outcome of the outpouring of myself
if i tell everyone my stories will this keep me healthy and well
will it give me purpose, to this world some sort of service
is it worth it, how can i tell

art, art...

Aguarela

Summer Tree

Em Fevereiro adicionei mais um hobby à minha já longa lista. Desta vez um hobby sem acessórios muito caros, a aguarela. É uma outra forma d expressar o meu lado artístico, a seguir à fotografia. Ainda estou muito básico, mas finalmente começo a gostar dos resultados.

Se quiserem dar uma olhada, é só irem à pasta de Aguarela no flickr.

Blogs are so oldskool

The new generation doesn't care about big texts. Small texts rule. They will more easily use twitter, tumblr, blip.fm, or something similar. Specially if it runs in mobile phones.

I have seen several people abandon their blogs for this kind of communication, and not all of them were that young. That will happen more and more. My blog is going to continue, but it will be rethinked in the near future...

Blogs são coisa do passado

Começo a realizar que os blogs começam a ser coisa do passado. A nova geração não está para escrever artigos grandes, e muito menos para lê-los. A geração SMS dá-se melhor com coisas como o twitter, o tumblr, ou algo semelhante. E de preferência que funcione em telemóveis.

Vi muito disso no Japão, e vejo cada vez mais do mesmo à minha volta. Eu próprio já não tenho pachorra para artigos longos. Nem para os escrever, nem para os ler. O que realmente interessa parece ser pequenas mensagens.

Já conheço pessoas que abandonaram completamente o seu blog e passaram exclusivamente para o Twitter ou para as mensagens do Facebook. Eu não vou fazer o mesmo, mas acho que está na altura de repensar este blog. Vamos ver o que surgirá daqui...