Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Simplice

A vida é simples

Simplice

A vida é simples

Revolucionar o ensino

Desde o tempo de Lutero, a pregação não mudou (ou mudou mesmo muito pouco). E essa é a forma principal de ensino na igreja dos dias de hoje. O resultado é que os cristãos habituaram-se a sentar-se e ouvir o "especialista" a falar das escrituras. Calados, obviamente. Estão habituados a não participar, a não analisar o que está escrito, a não expressar a sua opinião, a ver o ensino como algo essencialmente teórico.

Nem todos são assim, alguns pesquisam as escrituras, procuram saber mais, procuram praticar aquilo que aprendem. Os que o fazem, fazem-no por um impulso interior, e não porque o ambiente à sua volta os ajude a isso. Mas mesmo esses encontram vários impedimentos ao processo de aprendizagem.

Infelizmente, mudar a forma de uma pregação para pequenos grupos não é suficiente. É suficiente se as pessoas fizerem parte daqueles que pesquisam. Mas não é suficiente para os outros. Um pequeno grupo pode tornar-se uma mini-pregação, e manter os mesmos defeitos. E tudo porque é a isso que as pessoas estão habituadas.

O que é preciso fazer? É preciso revolucionar a forma de ensino de tal forma, que não seja criado espaço para ficar apático a ouvir. É necessário criar várias formas de levar as pessoas a pensar por si próprias.

Como? Essa é uma boa pergunta. Foi-me dada recentemente a oportunidade que eu estava à espera para experimentar algumas coisas, e é isto que vai ser feito: Quem participar, terá de meditar em determinados textos durante a semana que antecede. Depois, num dia marcado, juntamo-nos num sítio combinado. Aí, as pessoas passarão por uma experiência prática daquilo que meditaram durante a semana, e poderão ou não ter um papel com algumas perguntas a responder durante a experiência. No fim, teremos um espaço em que cada um partilhará o que aprendeu.

Depois disso poderemos ter reuniões em pequenos grupos, ou outras formas, que as pessoas já estarão habituadas a participar activamente. Mas deve ser algo repetitivo. E principalmente, não pode ser uma situação em que uma pessoa fica constantemente em destaque. O alvo deve ser um grupo em que todos aprendemos uns com os outros, e não em que uma pessoa se destaca como o mestre. Há um só mestre, Jesus Cristo. Somos todos seus discípulos.

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.