Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Simplice

A vida é simples

Simplice

A vida é simples

Publicidade

Renew them in our day



Lord, we have heard of Your fame
We stand in awe
Of Your wonderful deeds, O Lord
Lord, we have heard of Your fame
We stand in awe
Of Your wonderful deeds

Renew them in our day
Renew them in our day
In Your wrath
Remember mercy
In our time
Make them known
Renew them in our day
Renew them in our day
In our time we cry
Renew them in our day

(Habakkuk 3:2)

Um blog em Drupal

Ultimamente tenho trabalhado bastante com o Drupal, quer na empresa onde trabalho, quer para alguns pequenos projectos que têm surgido. Desde projectos para sites básicos de empresas, até sites de comunidade bastante completos (com fóruns, blogs, votações, calendários, etc).

Mas hoje foi lançado o primeiro site feito por mim em Drupal. Na realidade, o último a ser feito, mas o primeiro a ser lançado :). Nada mais nada menos, que o blog da Paula, Ladybirdbug. É um exemplo do mais simples que se pode fazer em Drupal. Levei meia hora a montar o site (e depois mais meia hora a fazer pequenas alterações de design).

Qual é o balanço que faço até agora do Drupal? Acho que é excelente para fazer sites de pouca ou média complexidade, mas em que não hajam requisitos de uma grande costumização. Mesmo quando existem alguns requisitos específicos, tipo modificar a forma como aparece o calendário, ou adicionar campos a objectos já existentes (coisas que não dá para alterar só com CSS), o Drupal porta-se muito bem. Bastante melhor que outras alternativas, como o Joomla, ou o ezPublish (são os que conheço na prática).

Para sites mais complexos, acho que não vale a pena usar um CMS. Prefiro para isso usar uma framework, como o Django, ou mesmo o Symfony. Chamem-me oldschool, mas acho que levo menos tempo a fazer um site complexo com uma framework do que o tempo que levo a alterar o CMS para cumprir os requisitos exóticos necessários.

Camaleão (Chamaeleo chamaeleon)

Camaleão (Chamaeleo chamaeleon)

Nunca tinha visto um camaleão, coisa rara para um algarvio. Bom, serve de desculpa o facto de eu ser do barlavento, e os camaleões, que já são raros no sotavento, ainda são mais raros no barlavento. Mas este, vi-o em Lagos (mais exactamente na zona da Ponta da Piedade), a cidade onde cresci e onde morei a maior parte da minha vida.

Infelizmente são cada vez menos, vítimas de atropelamentos (são muito lentos), e da maldade humana (deixam-se aproximar muito facilmente, e há quem se "divirta" a fazê-los fumar, para os verem rebentar). É sempre triste ver um animal desaparecer, mas ainda mais quando se trata de um animal meigo e pacífico como o camaleão, cujo principal defeito é não ter medo do homem.

Publicidade

Pág. 2/2