Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Simplice

A vida é simples

Simplice

A vida é simples

Publicidade

The Golden Calf

The things christians are capable of doing still surprise me:



Simon explains it better than I can:

"OK, so world economy is tanking hard. And why? Because people have been extremely greedy, living off debt, making money out of money, using false weights and measures (financially speaking), and generally doing a lot of stuff with money that the Bible says is harmful and oppressive. So, what do we expect Christians to do about it?

If you said "remind people prophetically but sensitively that God is concerned about the use of money to oppress others and will sit in judgement over it", then you know your Bible very well, but you don't know Christians at all. If you said that they would pray "to avert financial judgment" and try to escape from what the Bible says, you get five points.

But if you said that they would pray not just to avoid the judgment but also denounce the stock market falls as the work of Satan and pray for more money in front of a freakin' statue of a freakin' golden bullock, for heaven's sake, you get ten points. "


From here, and originated here.

O touro de bronze

Diria-se que eu, depois de tantos anos activo no cristianismo, de ter estudado Teologia no Instituto Bíblico Português, de ter liderado e semi-liderado vários departamentos em várias igrejas, e ter estado por dentro de quase todas as denominações evangélicas imagináveis, e de em todo esse tempo ter estudado e interagido com tantas outras, e de ter de várias formas combatido e enfrentado todo o tipo de erros teóricos e práticos, que dificilmente me deixaria surpreender por algo que os cristãos façam. Afinal de contas já vi de tudo, desde hipocrisias a extremismos, desde apatia a milagres. Mas nada do que vi me preparou para isto:



Passo a explicar o que eles estão a fazer. Estão a orar a Deus para que o sistema económico recupere. E se não bastasse isso, estão a fazê-lo junto ao touro de bronze de Wall Street, símbolo da economia americana. Eu sei, quem não é cristão não deve estar a ver a ironia disto. Talvez com algumas passagens Bíblicas, fique mais clara a minha estupefacção:

"Ninguém pode servir a dois senhores: ou não gostará de um deles e estimará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e ao dinheiro." (Mateus 6:24)

"Vendo que Moisés demorava a descer do monte, o povo reuniu-se à volta de Aarão e disse-lhe: «Vamos! Façamos para nós um deus que caminhe à nossa frente, pois a Moisés, esse homem que nos persuadiu a sair do Egipto, não sabemos o que lhe terá acontecido.» Aarão respondeu-lhes: «Tirai as argolas de ouro das orelhas das vossas mulheres, dos vossos filhos e das vossas filhas, e trazei-mas.» Eles tiraram as argolas que tinham nas orelhas e levaram-nas a Aarão. Recebeu-as das mãos deles, deitou-as num molde e fez um bezerro de metal fundido. Então exclamaram: «Israel, aqui tens o teu deus, aquele que te fez sair do Egipto.» Vendo isso, Aarão construiu um altar diante do ídolo, e disse em voz alta: «Amanhã haverá festa em honra do SENHOR.» No dia seguinte de manhã, ofereceram holocaustos e sacrifícios de comunhão. O povo sentou-se para comer e beber e depois levantou-se para se divertir.
O SENHOR disse a Moisés: «Vai, desce, porque o teu povo, aquele que tiraste do Egipto, está pervertido. Desviaram-se bem depressa do caminho que lhes prescrevi. Fizeram um bezerro de metal fundido, prostraram-se diante dele, ofereceram-lhe sacrifícios e disseram: «Israel, aqui tens o teu deus, aquele que te fez sair do Egipto.»"
(Êxodo 32:1-8)

Como é possível o povo cristão estar tão cego, que em vez de se preocuparem com os problemas de injustiça no mundo, com a fome, com a pobreza, estão antes preocupados com o sistema monetário actual? Onde está a nossa segurança? O que é que dita o nosso sistema de valores? A quem damos a nossa aliança? O sistema financeiro, ou Deus?

Visto aqui, e com origem aqui.

Nikon D300


(foto retirada de dpreview.com)

Como já tinha dito antes, queria ter a Nikon D300. Mas continuava a achar a máquina um bocado cara, por isso agora estava a pensar comprar a Nikon D90. No sábado, ao passar pela loja Photo Verdaine, onde costumo comprar o meu material de fotografia, qual não foi o meu espanto ao ver uma D300 à venda na secção de usados (tem uma excelente secção de usados). E pelo mesmo preço que a D90. Nem pensei duas vezes.

Pelo pouco que já brinquei com ela, posso dizer que é uma excelente máquina. É um passo bem grande em relação a minha fiel Nikon D50, que já pedia reforma. Todas as limitações que encontrava na outra, estão resolvidas nesta: 12MP, 6fps, autofoco muito mais rápido, um visor muito maior, um ecrã fenomenal, e um muito mais fácil acesso a todas as features. Recomendo vivamente a quem se quer dedicar à fotografia mais a sério.

The practice of the presence of God

The practice of the presence of God is a very well known classic of the Christian faith. It collects some of the insights given by Brother Lawrence, a friar that impressed people with the peace he transmitted. It's a great book to make us remember that the presence of God is not far from us, even when we are busy in our daily lives.

I can not say I agree with everything on that book, but the main theme is of much value to me.

As exigências do futebol

Tem a sua piada que o português seja tão exigente com o futebol. Se a equipa perde duas vezes de seguida (às vezes basta uma), começam logo a querer despedir o treinador, e a assobiar a equipa. As pessoas querem resultados, e quando não os obtém, os clubes não têm problemas em despedir um treinador e contratar outro, mesmo se a culpa até nem era dele.

No que diz respeito ao mundo empresarial, e ao governo, a coisa já muda de figura. Todos se queixam pela calada, mas ninguém tem coragem de fazer coisa nenhuma. Ou é só impressão minha?

Quem me dera que os portugueses fossem tão exigentes com as outras coisas como são com o futebol.

SHiFT 2008 - Bioinformática

Bem lá vou eu à Tugalândia novamente. Desta vez para participar na SHiFT 2008.

Se vão lá, e acharem que conseguem aguentar ouvir-me falar de DNA, de genes, e essas coisas interessantes, podem aparecer na minha palestra sobre Bioinformática. Não prometo que seja emocionante, mas para quem o tema interessa, será no mínimo interessante. Espero ter cerca de 15-20 pessoas. Pelo que pude ver, já existe uma pessoa interessada, e não sou eu :)

O Tabaco e o trabalho

Já antes falei da minha aversão ao sistema de horas de trabalho. Para mim, no tipo de trabalho que faço, não faz sentido ser pago à hora. Mas independentemente disso, há uma coisa que não tem lógica nenhuma no sistema de x de ordenado por 40 horas de trabalho semanais: A benesse que se dá a quem fuma.

É socialmente aceite que, um trabalhador que fume, se ausente do trabalho repetidas vezes durante essas mesmas 40 horas, para fumar. Dependendo do fumador em questão, essas ausências podem totalizar entre 20 minutos por dia, até umas 2 horas. Depende de quantos cigarros, a distância que tem que andar até ao sítio onde fuma, o tempo que leva com cada cigarro, a conversa que tem ou não com os outros fumadores, etc. É aceite, e visto como normal.

- Onde é que foi fulano de tal? - pergunta o chefe.
- Ah, foi ali fumar. - responde o empregado.
- Ah, está bem, quando ele voltar logo venho cá outra vez.

Já se o não fumador quiser fazer pausas de vez em quando, tem muito mais dificuldade.

- Onde é que foi fulano de tal? - pergunta o chefe.
- Ah, foi ali passear ao jardim. - responde o empregado.
- Passear ao Jardim!? Então mas eu pago-lhe para ir passear ao jardim? Quando ele voltar a gente logo conversa...

O que leva a que haja este tratamento preferencial para com os fumadores?

Publicidade

Pág. 1/2