Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Simplice

A vida é simples

Simplice

A vida é simples

Publicidade

Brilhar

"Fazei tudo sem murmurações nem discussões, para serdes irrepreensíveis e íntegros, filhos de Deus sem mancha, no meio de uma geração perversa e corrompida; nela brilhais como astros no mundo." (Filipenses 2:14,15)

Mais fácil de dizer do que de ser.

Maria mãe de Cristo

Maria foi uma mulher excepcional, exemplo para todos os cristãos. Exemplo de humildade, dedicação, e de obediência a Deus. Sem dúvida uma mulher que nos merece todo o respeito. E por isso mesmo, eu acho que ela deve estar bastante triste, se é que é possível haver tristeza no Céu.

Deve estar triste, porque vê milhões de pessoas a adorá-la como se ela fosse um deus, quando há um só Deus. Basta olhar para as igrejas católicas, e ver a quantidade de igrejas que são dedicadas a Maria. E quantas são dedicadas a Jesus? No congresso da Nova Evangelização o ponto alto foi a procissão com a imagem de Maria de Fátima a percorrer a cidade de Lisboa. As cidades são sempre dedicadas a Maria, não a Jesus. Sinceramente, se um marciano viesse à terra, diria que o deus da igreja católica portuguesa é Maria.

Eu procuro não falar muito neste assunto, para não ferir cristãos que pensam de forma diferente, mas não me sentiria bem com a minha consciência se continuasse calado.

"E não tomeis parte nas obras infrutíferas das trevas; pelo contrário, denunciai-as." (Efésios 5:11)

O problema das frases feitas

Já tinha falado disto neste artigo, mas hoje estava a pensar um pouco mais sobre o assunto. Qual é o objectivo de andar com um cartaz a dizer "Eu sou de Jesus"? Por mais que eu consiga pensar, isso não tem qualquer objectivo evangelístico. Ninguém vai começar a seguir Jesus só porque eu levanto um cartaz com uma frase feita. Muito pelo contrário, vão rotular-me de fanático longe da realidade do dia a dia.

Depois de pensar e pensar, cheguei à conclusão que a única razão possível é para me gabar, para dizer que sou melhor do que os outros. E depois pus-me a pensar na quantidade de eventos "evangelísticos" que não são mais do que um grupo de cristãos a se gabarem daquilo que são. Entristece-me isso. Entristece-me que os cristãos estejam mais preocupados em se gabar, do que em mostrar no dia a dia o que significa ser de Jesus.

Gosto da minha igreja porque...

Eu sou conhecido por gostar de fazer perguntas simples mas difíceis. Por exemplo: Que dons acreditas ter? Se usasses uma palavra para te descrever, qual seria? E perguntas deste género.

Gostaria que todas as pessoas que façam parte de uma igreja, e leiam este blog, respondam à seguinte pergunta: Qual a principal razão que te leva a gostar da tua igreja? (Entenda-se por igreja a comunidade de cristãos da qual fazes parte activamente)

Quanto a mim, a razão principal que me leva a gostar da minha igreja é a abertura que há a novas realidades.

Tejo Internacional

Este fim de semana alargado vou ao Tejo Internacional. O Tejo Internacional é a zona entre Castelo Branco e a fronteira com a Espanha, e tem esse nome porque nessa zona uma margem é portuguesa e a outra espanhola.

O que há lá para ver? Abutres e Cegonhas Pretas. Embora as cegonhas no inverno sejam muito poucas. Além disso vale a pena visitar a zona para ir a Idanha-a-Velha e Monsanto, duas aldeias históricas. A serra da Estrela também fica lá perto. Quando voltar faço um relatório :)

Internet Explorer e CSS

Apelo a todos os utilizadores de internet que deixem de usar o Internet Explorer, é mesmo muito mau. Usem o Firefox, ou o Opera, e passado pouco tempo vão ficar espantados em como conseguiram viver com o Internet Explorer tanto tempo. Qualquer browser da esquina tem mais funcionalidades. E como se não bastasse, interpreta mal o código.

É incrível como é complicado fazer um site aparecer bem em Internet Explorer. Principalmente se estivermos a usar CSS para o layout. Farto de andar a dar a volta à cabeça, acabei por recorrer a este truque baixo:

div#left {
float:left;
width:5.9em;
//width:20%;
}

O width de cima é para browsers decentes (Firefox, Safari, Opera), e o de baixo é para o Internet Explorer. Porque é que isto funciona bem assim? Porque o Internet Explorer, estupidamente, não reconhece comentários no CSS. Logo, interpreta as linhas comentadas. Como os outros não interpretam, continuam a funcionar como deve de ser. Podia ter arranjado uma solução muito mais elegante, mas tenho coisas mais interessantes para fazer com a vida, como contemplar Deus, passar tempo com a minha linda esposa, e observar pássaros.

Novo blog


Como vos prometi, estou a trabalhar para que em 2006 o meu blog esteja completamente renovado. Ainda faltam algumas coisas, tanto a nível de design como a nível de funcionalidades, mas as coisas estão a andar bem.

Mas para ficarem a par dos progressos, gostava de vos mostrar mais ou menos como é que o blog ficará em termos estéticos. O aspecto poderá mudar ainda um pouco, mas não muito. De notar só que nesta imagem borrei um bocado o sítio onde ficará o nome do site, porque ainda não registei o domínio, e não quero que alguém decida registá-lo para depois negociar comigo :)

Sushi master

Recentemente, comprei um livro sobre Sushi, que começa a falar sobre o processo de aprendizagem de um mestre de Sushi. No início, só é permitido ao aprendiz lavar as panelas e o chão. Depois começam a poder lavar o arroz, e só mais tarde começam a poder cozer o arroz. Passados 5 anos de aprendizagem, começam a fazer o Sushi para take away. E só ao fim de 10 anos podem servir os clientes do restaurante.

Os orientais têm uma forma diferente de ensino, que na realidade era muito semelhante à que era usada nos tempos de Jesus. O ensino envolvia relacionamento entre o discípulo e o mestre, e o discípulo aprendia através de observação do mestre. E não há pressa para que o discípulo aprenda. Eles compreendem que aprender leva tempo, principalmente se for para aprender a coisa como deve de ser.

Ensinar assim leva mais tempo, mas os resultados são tremendos.

Falar de forma simples

O conhecimento que nós temos é fruto de um processo demorado. O conhecimento não é adquirido de um momento para o outro. Pequenas coisas que fomos aprendendo e experimentando, foram-se juntando até formar esse conhecimento. Muitas vezes num processo que dura anos.

Muitas vezes esquecemo-nos disto, e queremos passar o conhecimento que temos em pouco tempo, porque de repente tornou-se simples para nós. Esquecemo-nos de todas as pequenas coisas que fomos aprendendo que nos permitiram adquirir esse conhecimento, e queremos que os outros o atinjam sem passar por essas pequenas coisas. Isso não é possível.

Precisamos simplificar a forma como falamos, como ensinamos, como influenciamos (os 3 podem ser sinónimos). Precisamos descer ao nível do ouvinte, e também ter a humildade de reconhecer que não sabemos todas as coisas, e que ao ensinar podemos acabar aprendendo.

Publicidade

Pág. 1/4